Qual é o menor planeta já descoberto pela ciência?

Até o momento o Kepler-37b é considerado como o menor ”planeta” que conhecemos, na verdade ele é um exoplaneta (planeta que orbita uma estrela que não seja o sol) que orbita o Kepler-37 em uma constelação de nome Lyra. Localizado a cerca de 210 anos-luz da Terra o Kepler-37b é menor que Mercúrio o que fez com que achar ele fosse quase impossível.

A NASA tinha como objetivo descobrir planetas parecidos com a Terra que tivessem uma “zona habitável”, a região num sistema planetário onde a água líquida pode existir à superfície de um planeta. No entanto, ao passo que a estrela em Kepler-37 é semelhante ao Sol, o sistema parece ser bem diferente do nosso.

Os astrônomos acham que Kepler-37b não tem atmosfera e não pode suportar vida como a conhecemos. O minúsculo planeta é quase de certeza rochoso em composição. Kepler-37c, o planeta vizinho mais próximo, é ligeiramente mais pequeno que Vénus, medindo quase três-quartos do tamanho da Terra. Kepler-37d, o planeta mais distante, tem o dobro do tamanho da Terra.

Os primeiros exoplanetas encontrados orbitando uma estrela normal foram gigantes. Com o avanço das tecnologias, planetas cada vez menores foram encontrados, e o Kepler mostrou que até exoplanetas do tamanho da Terra são comuns.


A estrela hospedeira do Kepler-37 pertence à mesma classe do nosso sol, embora seja ligeiramente mais fria e menor. Todos os três planetas orbitam a estrela a uma distância menor que Mercúrio do Sol, sugerindo que são mundos muito quentes e inóspitos. O Kepler-37b orbita a cada 13 dias a menos de um terço da distância de Mercúrio do sol. A temperatura estimada da superfície deste planeta em combustão lenta, em mais de 800 graus Fahrenheit (700 graus Kelvin), seria quente o suficiente para derreter o zinco em um centavo. Kepler-37c e Kepler-37d, orbitam a cada 21 dias e 40 dias, respectivamente.

“Nós descobrimos um planeta menor do que qualquer outro em nosso sistema solar orbitando uma das poucas estrelas que é brilhante e silenciosa, onde a detecção de sinal foi possível”, disse Thomas Barclay, cientista do Kepler no Bay Area Environmental Research Institute em Sonoma, Califórnia. , e principal autor do novo estudo publicado na revista Nature. “Esta descoberta mostra que os planetas próximos podem ser menores, bem como muito maiores, do que os planetas orbitando nosso Sol.”

Sonda Kepler desabilitada em 2018
Sonda Kepler desabilitada em 2018, detectou 2.720 exoplanetas

A equipe de pesquisa usou dados do telescópio espacial Kepler da NASA (desabilitado em 2018), que media simultaneamente e continuamente o brilho de mais de 150.000 estrelas a cada 30 minutos. Quando um candidato a planeta transita, ou passa, na frente da estrela do ponto de vista da espaçonave, uma porcentagem da luz da estrela é bloqueada. Isso causa uma queda no brilho da luz das estrelas que revela o tamanho do planeta em trânsito em relação à sua estrela.

O tamanho da estrela deve ser conhecido para medir com precisão o tamanho do planeta. Para aprender mais sobre as propriedades da estrela Kepler-37, os cientistas examinaram as ondas sonoras geradas pelo movimento de ebulição abaixo da superfície da estrela. Eles sondaram a estrutura interna da estrela do Kepler-37, assim como os geólogos usam ondas sísmicas geradas por terremotos para sondar a estrutura interna da Terra. A ciência é chamada de asteroseismologia.

As ondas sonoras viajam para a estrela e trazem informações de volta à superfície. As ondas causam oscilações que o Kepler observa como uma oscilação rápida do brilho da estrela. Como os sinos em uma torre, pequenas estrelas tocam em tons altos, enquanto estrelas maiores explodem em tons mais baixos. As oscilações de alta frequência quase imperceptíveis no brilho de pequenas estrelas são as mais difíceis de medir. É por isso que a maioria dos objetos previamente submetidos à análise asterosísmica são maiores que o sol.

Com a altíssima precisão do instrumento Kepler, os astrônomos alcançaram um novo marco. A estrela Kepler-37, com um raio de apenas três quartos do Sol, agora é o menor sino do campanário da asteroseismologia. O raio da estrela é conhecido com uma precisão de 3 por cento, o que se traduz em uma precisão excepcional no tamanho do planeta.

Ames é responsável pelo desenvolvimento do sistema terrestre do Kepler, operações de missão e análise de dados científicos. O Jet Propulsion Laboratory da NASA em Pasadena, Califórnia, gerenciou o desenvolvimento da missão Kepler.

Esperamos que tenha gostado do conteúdo, não esqueça de acompanhar a gente em nossas redes sociais:

instagram - ícones de social grátis Instagram:  Clique aqui

Facebook – entre ou cadastre-seFacebook: Clique aqui

Pinterest Archives » Revista InternetPinterest: Clique aqui

 Twitter:  Clique aqui

Linkedin - ícones de mídia social grátis Linkedin: Clique aqui

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

<span>%d</span> blogueiros gostam disto: